LIVRO SEGUNDO DAS CONFISSÕES

 

I.

Não escrevo para que me leiam
menos ainda para que me entendam.

                                                     Se escrevo
é para que esse fio tênue
se não parta ainda.

II.

Nada do que se escreve nos pertence.

Vejam este verso,
                                      que é meu:
agora que me deixa
é já uma outra língua
falada no coração das coisas,
é já um pássaro do mundo
a buscar céu,
é já paixão escrita em pele estranha ―
                                      estranho arranjo
no corpo árduo das horas.

III.

E nestas confissões,
quem fiará valia?
                                  Narciso desnomeia espelhos.

___________________________
A Selvagem Língua do Coração das Coisas
Dércio Braúna
Realce Editora e Gráfica
____________________________

Anúncios

Esteja à vontade para comentar, desde que respeitosamente.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s