UM HOSPITAL EM GRAÇA ARDENTE

Tornillo en Santiago de Compostela – Luis Miguel Bugallo Sánchez (lmbuga)

“Não há lugar para a beleza
Não há tempo
Eis a cidade com seu rosto desolado”
(Manuel Alegre)

A cidade cresceu em demasia,
perdeu-se ao meu redor
em rostos que nunca ousei,
em ruas que de mim sequer
advinham a mínima dor,
o suspiro ínfimo com o qual
habito o pouco que como,
o pouco que falo, o pouco
que insisto sobre sua fúria.

A cidade cresceu para fora de mim
e da maioria de todos, seres expulsos
da idéia, dos negócios, da política, dos planos:
amálgama restada à ferrugem e ao pó.

Ao final da tarde, pondo ao coração a desesperada
canção dos sós, carrego a boca de pedras contra o
a máquina humana enlouquecida, contra a moral
desgastada e suicida dos contadores de dinheiro
e corpos.

A cidade é um hospital em graça ardente.
__________________________________________
Créditos da imagem: Wikimedia Commons
__________________________________________________

Anúncios

Esteja à vontade para comentar, desde que respeitosamente.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s