O POEMA PERDIDO NO AZUL (Webston Moura)

 

Como um cão rápido, mundano,
uma pluma ao vento sorrateiro,
fugiu-me o poema que me havia
                                            às mãos.

Antes, pudera, fosse barro, chão
domado, e lhe teria em tijolo,
sonho de casa com mulher
               e noite de inverno.

__________________________
Clique “aqui” e inscreva-se para receber nossas postagens via e-mail
____________________________________

Anúncios

Esteja à vontade para comentar, desde que respeitosamente.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s