Sou pedra aposta ao nome
áspero ser gentil
de outono
sério arlequim atravessado
em sonos
ínfima parte decomposta
em tombo
remanescente palavra esquecida
ao instante

carrego o nome apropriado
no caminhar disposto
sobre esta terra:
vias terciárias e o fragor
do vento rola a esfera
enquadrada no átimo
da sobrevivência

externo sentimento recolhido no óbice
trânsfuga da espera realizada em antes
tal pedras afloradas no tanto
das descobertas.
_________________________________________
Visite ”aqui” o blog do poeta Pedro Du Bois
Créditos da imagem: Dragoljub Stanojev
Acesse também: ”IDIOMA MORTO”
______________________________________________

Anúncios